You are browsing the archive for Eventos.

Transparência nas eleições é tema de debate em SP no dia 16/05

Isis Reis - May 11, 2018 in Eventos, Lei de Acesso, transparência

Em comemoração dos 6 anos da Lei de Acesso à Informação, a Rede pela Transparência e Participação Social (RETPS) organiza o debate “Transparência e Agenda Eleitoral: financiamento, campanhas e partidos”, na Câmara Municipal de São Paulo. O evento, que abordará os principais temas envolvendo transparência e eleições, será no dia 16/05, às 19h. Natália Mazotte, diretora-executiva da Open Knowledge Brasil, será mediadora da discussão, que vai abordar notícias falsas (“fake news”), financiamento de campanhas e a transparência na agenda eleitoral e nos partidos. Entre os participantes, estão Joara Marchezini, da ARTIGO 19; Luciano Santos, do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral; Ellen Aquino, pesquisadora do Instituto Tecnologia & Equidade; Marcelo Issa, do Movimento de Transparência Partidária; e o especialista em direito eleitoral Bruno Fagali. Confirme sua presença no evento. A RETPS é constituída por organizações da sociedade civil e cidadãos que atuam para ampliar a transparência do poder público, bem como para estimular a sociedade a participar e a exercer o controle social dos recursos e das políticas públicas. A Open Knowledge Brasil é uma das 19 organizações que integram a rede. Flattr this!

Como foi o #OpenDataDay2018 em Maceió e em Porto Alegre

Elza Maria Albuquerque - March 8, 2018 in colaboração, Conhecimento Livre, Dados Abertos, Eventos, governo, Internet, Jornalismo de dados, Lei de acesso à informação, Open Data Day, Open Knowledge Brasil, sociedade civil, transparência

Neste ano, o Open Data Day (Dia de Dados Abertos), celebrado no dia 3 de março, contou com 406 eventos registrados (segundo o mapa oficial do ODD). Para nós, da OKBR, essa iniciativa representa muito: é uma oportunidade verdadeira e prática para que pessoas do mundo inteiro possam ensinar e aprender sobre dados abertos. Significa fazer com que elas se empoderem e saibam mais que é possível tornar a sociedade mais transparente. Isso impulsiona a gente, o nosso trabalho. No Brasil, o dia contou com eventos em 9 cidades. Pra você ter o gostinho de como foi, Thiago Ávila, especialista em Transparência e Governo Aberto e orientador da equipe organizadora, conta um pouco sobre o ODD em Maceió (AL); e Marlise Brenol, professora da UFRGS e uma das organizadoras do evento, e Irio Musskopf, da equipe do Programa Ciência de Dados para Inovação Cívica da OKBR e fundador da Operação Serenata de Amor, dividem relatos sobre a edição em Porto Alegre (RS) do evento.   EM MACEIÓ (AL) O Open Data Day Maceió, ao contrário dos demais eventos, começou no dia 2 de março, seguindo até o dia 3. Representantes da academia, governo e setor privado interagiram em discussões sobre o uso de dados abertos para negócios e melhoria do cotidiano das pessoas. Thiago Ávila, especialista em Transparência e Governo Aberto, abriu o evento explicando o que são os dados abertos. Na palestra, ele apresentou conceitos e diversas bases de dados abertas disponíveis no Brasil e no mundo. Na sequência, as Secretarias de Planejamento e de Fazenda de Alagoas apresentaram suas bases de dados abertas. A SEFAZ disponibiliza APIs sobre os preços dos produtos comercializados nos estabelecimentos comerciais de Alagoas, dados sobre situação do contribuinte, dentre outros dados disponíveis no site (sefazal.github.io). Já a SEPLAG, além de coordenar o Portal Estadual de Dados Abertos em Alagoas (www.dados.al.gov.br), abriu os dados do Guia de Serviços do Governo de Alagoas  (www.servicos.al.gov.br), plataforma que cataloga os serviços governamentais. O encontro contou com palestras que preparam os participantes para um Hackathon – maratona de desenvolvimento de soluções baseados em dados abertos. Teve palestra sobre ferramentas de consumo de dados abertos, como as Qlikview, Qliksense e Pentaho. E a oficina de Modelo de Negócio com Canvas e de Raspagem de Dados, com a ferramenta Webscrapy. A equipe TurAdvise, formada por professores e alunos do Instituto Federal de Alagoas, venceu o hackathon. A aplicação tem como objetivo, a partir da base de dados abertos de atrativos turísticos de Alagoas, associar aos estabelecimentos que ofertam produtos e serviços nestes equipamentos, proporcionando um conhecimento especializado da oferta turística em Alagoas bem como incentivando os comerciantes a melhorarem os dados que informam a Secretaria da Fazenda – tais dados serão usados para melhorar a sua visibilidade no aplicativo.   EM PORTO ALEGRE (RS) Em Porto Alegre, o ODD contou com troca de conhecimentos sobre transparência pública como ferramenta para a democracia. O encontro aconteceu na sede da Unisinos e teve a participação de 65 pessoas interessadas na publicidade dos dados governamentais em ano eleitoral. Têmis Limberger, professora da Unisinos e procuradora do Ministério Público Estadual, foi a primeira a se apresentar. Ela deu uma aula sobre a Lei de Acesso à Informação e avaliação de transparência governamental:  “O que é a Lei de Acesso à Informação (LAI) e como ela se compara com o resto do mundo? Criação de rankings globais de transparência. Por que normalmente vemos países nórdicos no topo de qualquer ranking? Suécia, por exemplo, teve a sua própria LAI criada em 1266. Não é à toa que a Operação Serenata de Amor foi nomeada a partir de um caso de corrupção sueco.” “A compreensão da lei ajuda a cobrar e fiscalizar a adaptação dos órgãos públicos aos preceitos exigidos pela norma como publicação de um site interativo, disponibilidade de serviço de atendimento ao cidadão e fornecimento dos dados em formatos legíveis por máquinas”, diz Marlise Brenol, professora da UFRGS e uma das organizadoras do evento. Para falar sobre esse tema, o evento contou com a participação da Liliana Barcellos, subchefe de Ética da Casa Civil, e  Francine Ledur, auditora pública externa do TCE-RS. O governo do Rio Grande do Sul lançou recentemente o seu próprio site de dados abertos e reuniu coleções de dados de pesquisas realizadas pela Fundação de Economia e Estatística e outras do portal de transparência do Estado. Francine mostrou o estudo do TCE-RS que avalia a adaptação dos 497 municípios gaúchos à lei e o papel educador e orientador que  o tribunal de contas desempenha para garantir a inclusão dos dados por prefeituras. Em 2012, metade das Câmaras municipais não tinha site. Com uma metodologia que classifica cada Câmara em 80 critérios, a força-tarefa para avaliar os municípios vem alcançando melhorias a cada ano. Um auditor avalia o mesmo critério em todos os municípios para garantir que saberá como comparar entre um e outro. Francine fez dois pedidos à comunidade: – Fazer um fork do Plone para prefeituras, isto é, clonar a ferramenta para que cada uma delas possa utilizá-la de seu modo. O TCE-RS pode ajudar definindo o que é necessário em cada site; – Automatizar avaliação. Da mesma forma que temos sites para avaliar em diversos critérios a acessibilidade de um site e mostrar como as deficiências podem ser corrigidas, a ideia é criar isso para sites de Câmaras municipais. O uso de dados abertos no jornalismo também foi discutido. Em mesa mediada por Luciana Mielniczuk*, professora de jornalismo da UFRGS, os jornalistas Juliana Bublitz, do jornal Zero Hora, Livia Araújo, do Jornal do Comércio, e Francisco Amorin, da UFRGS e UniRitter, relataram suas experiências com o uso de dados abertos e portais de transparência na elaboração de notícias. Para acompanhar mais anotações do evento em Porto Alegre, confira o texto do Irio Musskopf.   E QUE VENHA ODD 2019 A Open Knowledge Brasil espera que no próximo ano, cada vez mais pessoas possam participar do Open Data Day, tornando a discussão sobre dados abertos ainda mais eficiente no país! *Luciana Mielniczuk faleceu no início desta semana. Nossos sentimentos a seus familiares, amigos e alunos. Flattr this!

Participe do Open Data Day 2018 no dia 3 de março!

Elza Maria Albuquerque - January 31, 2018 in colaboração, Conhecimento Livre, Dados Abertos, Destaque, Eventos, Gastos Abertos, governo, Open Data Day, Open Knowledge Brasil, participação, sociedade civil

Uma data para aprender, pensar e criar alternativas para uma vida melhor por meio de dados abertos. O Open Data Day é uma celebração anual de dados abertos em todo o mundo. Grupos de diversos países realizam eventos locais no dia em que usarão dados abertos em suas comunidades. É uma oportunidade para mostrar os benefícios de dados abertos e incentivar a adoção de políticas de dados abertos no governo, nas empresas e na sociedade civil. O Open Data Day 2018 irá acontecer no dia 3 de março (sábado) e o foco será em quatro áreas onde os dados abertos podem ser uma solução: pesquisa em dados abertos, rastreamento de fluxos de dinheiro, mapeamento aberto, dados pela igualdade de desenvolvimento. No mapa dos eventos do ODD, você localiza os encontros que vão acontecer. Por enquanto, no Brasil, os seguintes eventos já estão marcados: ODD em Brasília (DF), Open Data Day Maceió, Open Data Day Salvador. Quem pode participar Todo mundo pode participar do Open Data Day. Quanto mais gente quiser se envolver nas atividades, melhor! Se você quer buscar um projeto interessante para contribuir,  tem alguma ideia para usar dados abertos, aprender como visualizar ou analisar dados ou simplesmente quer ver o que está acontecendo, participe. Todos são livres para expressar suas opiniões de forma construtiva. Como participar A Open Knowledge Internacional dá recursos para quem quiser participar ou organizar um evento do Open Data Day. Se você precisa se inspirar ou não sabe onde encontrar os dados, confira os recursos para os eventos de 2018. O site oficial traz também um mapa com todos os eventos registrados em diversos países. Além disso, a Open Knowledge Brasil oferece apoio na divulgação do ODD. Caso esteja pensando em organizar o evento na sua cidade, envie pra gente via mensagem no Facebook. Com informações do site oficial do Open Data Day. Flattr this!

OKBR realiza eventos para lançar o Open Data Index no Brasil

Elza Maria Albuquerque - April 5, 2017 in Destaque, Eventos

Neste mês, a Open Knowledge Brasil e a FGV-DAPP vão realizar uma série de eventos para lançar o Open Data Index (ODI) em três locais: São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Brasília (DF). O objetivo desses eventos é apresentar para toda a sociedade os resultados dos levantamentos ODI no nível subnacional (resultados Open Data Índex da cidade de São Paulo e Open Data Índex da cidade do Rio de Janeiro) e no nível nacional (Open Data Index Brasil). A Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP), da FGV, em parceria com a Open Knowledge Brasil (OKBR), construiu o Índice de Dados Abertos (Open Data Index) do Brasil. Ele é uma iniciativa da sociedade civil que busca realizar o mapeamento do estado dos dados abertos em diversos países (e cidades) ao redor do mundo. A parceria busca aprimorar o indicador e aproximá-lo ainda mais da realidade brasileira, tanto em nível federal quanto em nível municipal, para promover o aprimoramento institucional brasileiro por meio do fomento à transparência na estrutura do Estado. “Os resultados práticos desse lançamento para a sociedade é a possibilidade de utilizar os resultados para a formulação e o monitoramento de políticas públicas de transparência e dados abertos”, conta Ariel Kogan, diretor-executivo da OKBR. Sobre o Índice de Dados Abertos O Índice de Dados Abertos vem sendo utilizado por governos em todo o mundo como uma ferramenta para estabelecer suas prioridades em relação às políticas de transparência e dados abertos e por atores da sociedade civil como um mecanismo de pressão para encorajar governos a melhorarem suas performances, liberando conjuntos de dados essenciais. O Índice é construído com base na disponibilidade e acessibilidade dos dados em 13 categorias essenciais, incluindo gastos governamentais, resultados das eleições, compras públicas, níveis de poluição, dados de qualidade da água, posse de terras, dados do clima, entre outros. As submissões são revisadas por pares e verificadas por uma equipe local de especialistas e revisores de conjuntos de dados. Os pontos são atribuídos de acordo com as conclusões desse processo.

Lançamento ODI São Paulo

No dia 25/04, às 10 horas, a Open Knowledge Brasil vai realizar o evento de lançamento do Open Data Index na Câmara Municipal de São Paulo. O objetivo é apresentar os dados do Open Data Index São Paulo para o legislativo municipal. Em breve, vamos divulgar mais detalhes sobre o evento nas redes da OKBR.

Evento em Brasília

No dia 27/04, o Open Data Index Brasil vai ser lançado no evento Dados Abertos: Nova Cultura de Transparência, na Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ Brasília (Avenida L3 Norte, s/n, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A). O objetivo do evento é divulgar a Política Nacional de Dados Abertos; promover o lançamento do Índice de Dados Abertos (Open Data Index), fruto de parceria entre a OKBR e a FGV; além de difundir a importância da abertura de dados públicos para a geração de negócios e fomento do controle social. Também vão ser apresentados três casos de sucesso da utilização pela sociedade de dados abertos da Administração Pública: Serenata de Amor – projeto que, por meio de inteligência artificial, identifica irregularidades nos gastos da Cota para Exercício da Atividade Parlamentar destinada a deputados federais; um estudo que critica o modelo de tributação de renda e lucro no Brasil, representado pelo pesquisador Rodrigo Orair; e o Sistema Mavip – desenvolvido para simplificar e otimizar o registro de marcas. A realização do encontro é em parceria com o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP), a Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e a Open Knowledge Brasil (OKBR). As inscrições são gratuitas e vão ficar abertas até o limite de vagas disponíveis. O encontro é voltado a servidores públicos; empresas e organizações interessadas; startups e desenvolvedores de aplicativos; e sociedade civil. Mais informações Data: 27 de abril de 2017 Horário: 14h Local: Auditório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Endereço: Avenida L3 Norte, s/n, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A – Brasília (DF) Acesse a programação e o formulário de inscrição

Lançamento ODI Rio de Janeiro

A Diretoria de Análises de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV/DAPP) organiza, no dia 04 de maio (quinta-feira), um painel de debate sobre transparência e dados abertos. Na ocasião, será lançado o Open Data Index Rio de Janeiro, desenvolvido em parceria com a Open Knowledge Brasil. O evento faz parte de uma série mensal de debates sobre inovação e políticas públicas. Baseadas em pesquisas aplicadas originais — algumas vezes ainda em progresso —, as palestras são conduzidas por pesquisadores da Diretoria e convidados especiais que discutem iniciativas inovadoras e temas relevantes do debate público. Os encontros são gratuitos e abertos a estudantes, acadêmicos e para público interessado em geral. Mais informações Local: Sede FGV – Auditório Engenheiro M. F. Thompson Motta (12º andar), Praia de Botafogo 190 Horário: 12h às 14h Palestrantes: Representante DAPP Representante OKBR Representante Prefeitura do Rio Flattr this!

OKBR realiza eventos para lançar o Open Data Index no Brasil

Elza Maria Albuquerque - April 5, 2017 in Destaque, Eventos

Neste mês, a Open Knowledge Brasil e a FGV-DAPP vão realizar uma série de eventos para lançar o Open Data Index (ODI) em três locais: São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Brasília (DF). O objetivo desses eventos é apresentar para toda a sociedade os resultados dos levantamentos ODI no nível subnacional (resultados Open Data Índex da cidade de São Paulo e Open Data Índex da cidade do Rio de Janeiro) e no nível nacional (Open Data Index Brasil). A Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP), da FGV, em parceria com a Open Knowledge Brasil (OKBR), construiu o Índice de Dados Abertos (Open Data Index) do Brasil. Ele é uma iniciativa da sociedade civil que busca realizar o mapeamento do estado dos dados abertos em diversos países (e cidades) ao redor do mundo. A parceria busca aprimorar o indicador e aproximá-lo ainda mais da realidade brasileira, tanto em nível federal quanto em nível municipal, para promover o aprimoramento institucional brasileiro por meio do fomento à transparência na estrutura do Estado. “Os resultados práticos desse lançamento para a sociedade é a possibilidade de utilizar os resultados para a formulação e o monitoramento de políticas públicas de transparência e dados abertos”, conta Ariel Kogan, diretor-executivo da OKBR. Sobre o Índice de Dados Abertos O Índice de Dados Abertos vem sendo utilizado por governos em todo o mundo como uma ferramenta para estabelecer suas prioridades em relação às políticas de transparência e dados abertos e por atores da sociedade civil como um mecanismo de pressão para encorajar governos a melhorarem suas performances, liberando conjuntos de dados essenciais. O Índice é construído com base na disponibilidade e acessibilidade dos dados em 13 categorias essenciais, incluindo gastos governamentais, resultados das eleições, compras públicas, níveis de poluição, dados de qualidade da água, posse de terras, dados do clima, entre outros. As submissões são revisadas por pares e verificadas por uma equipe local de especialistas e revisores de conjuntos de dados. Os pontos são atribuídos de acordo com as conclusões desse processo.

Lançamento ODI São Paulo

No dia 25/04, às 10 horas, a Open Knowledge Brasil vai realizar o evento de lançamento do Open Data Index na Câmara Municipal de São Paulo. O objetivo é apresentar os dados do Open Data Index São Paulo para o legislativo municipal. Em breve, vamos divulgar mais detalhes sobre o evento nas redes da OKBR.

Evento em Brasília

No dia 27/04, o Open Data Index Brasil vai ser lançado no evento Dados Abertos: Nova Cultura de Transparência, na Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ Brasília (Avenida L3 Norte, s/n, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A). O objetivo do evento é divulgar a Política Nacional de Dados Abertos; promover o lançamento do Índice de Dados Abertos (Open Data Index), fruto de parceria entre a OKBR e a FGV; além de difundir a importância da abertura de dados públicos para a geração de negócios e fomento do controle social. Também vão ser apresentados três casos de sucesso da utilização pela sociedade de dados abertos da Administração Pública: Serenata de Amor – projeto que, por meio de inteligência artificial, identifica irregularidades nos gastos da Cota para Exercício da Atividade Parlamentar destinada a deputados federais; um estudo que critica o modelo de tributação de renda e lucro no Brasil, representado pelo pesquisador Rodrigo Orair; e o Sistema Mavip – desenvolvido para simplificar e otimizar o registro de marcas. A realização do encontro é em parceria com o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP), a Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e a Open Knowledge Brasil (OKBR). As inscrições são gratuitas e vão ficar abertas até o limite de vagas disponíveis. O encontro é voltado a servidores públicos; empresas e organizações interessadas; startups e desenvolvedores de aplicativos; e sociedade civil. Mais informações Data: 27 de abril de 2017 Horário: 14h Local: Auditório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Endereço: Avenida L3 Norte, s/n, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A – Brasília (DF) Acesse a programação e o formulário de inscrição

Lançamento ODI Rio de Janeiro

A Diretoria de Análises de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV/DAPP) organiza, no dia 04 de maio (quinta-feira), um painel de debate sobre transparência e dados abertos. Na ocasião, será lançado o Open Data Index Rio de Janeiro, desenvolvido em parceria com a Open Knowledge Brasil. O evento faz parte de uma série mensal de debates sobre inovação e políticas públicas. Baseadas em pesquisas aplicadas originais — algumas vezes ainda em progresso —, as palestras são conduzidas por pesquisadores da Diretoria e convidados especiais que discutem iniciativas inovadoras e temas relevantes do debate público. Os encontros são gratuitos e abertos a estudantes, acadêmicos e para público interessado em geral. Mais informações Local: Sede FGV – Auditório Engenheiro M. F. Thompson Motta (12º andar), Praia de Botafogo 190 Horário: 12h às 14h Palestrantes: Representante DAPP Representante OKBR Representante Prefeitura do Rio Flattr this!

OKBR participa do Hackathon da Saúde

Elza Maria Albuquerque - March 29, 2017 in Destaque, Eventos

Como a tecnologia pode tornar o SUS mais ágil e eficiente para os cidadãos? É com esse tema que vem aí o Hackathon da Saúde nos dias 8 e 9 de abril. A iniciativa é da Prefeitura de São Paulo em parceria com SENAI e AppCívico e conta com o apoio da Open Knowledge Brasil. O evento, que vai ter chatbots, dados abertos e outras soluções inovadoras, chama a sociedade civil, principalmente interessados em tecnologia, organizações sociais e startups a pensar em protótipos e ideias com impacto nas políticas públicas com foco na saúde para a população. “O Hackathon da Saúde é uma excelente oportunidade em que a Prefeitura de São Paulo promove um novo canal de comunicação e transparência por meio de dados abertos, tecnologia e participação, permitindo que todos participem e proponham melhores soluções para a saúde pública”, enfatiza Thiago Rondon, conselheiro da OKBR e diretor-executivo do AppCívico. No evento, ele vai ser um dos moderadores do painel sobre tecnologia. “O evento está alinhado com a nossa missão, promover o conhecimento livre para tornar a relação entre entre governo e sociedade mais transparente e para que haja uma participação política mais efetiva e aberta. Neste caso, trata-se de um assunto muito sensível, dados abertos na área da saúde pública. Faz muito sentido a OKBR apoiar e participar da iniciativa”, destaca Ariel Kogan, diretor-executivo da OKBR. No evento, ele vai ser um dos julgadores. Para participar do Hackathon da Saúde, é preciso fazer a inscrição via plataforma meetup. Mais informações no site.

Quais dados vão estar disponíveis no evento ?

A Secretaria Municipal da Saúde vai disponibilizar os dados da Ouvidoria (reclamação e solicitações de usuários por meio da Ouvidoria SUS); e uma extração de dados que já se encontram disponíveis no TabNet DataSUS, a saber: mortalidade, nascidos vivos, dados ambulatoriais, hospitalares, dados de população do IBGE e georreferenciamento das unidades de saúde disponíveis na capital paulista.

Mais informações

Evento: Hackathon da Saúde Quando: 8 de abril (início 8h) e 9 de abril (15h) Local: Escola SENAI de Informática Endereço: Rua Barão de Limeira, 539 – Centro – São Paulo – SP Para participar do evento Flattr this!

Open Knowledge Brasil apoia diversos eventos no Open Data Day

Elza Maria Albuquerque - March 9, 2017 in Dados Abertos, Destaque, Eventos

CodeAcross Curitiba. Foto: CodeAcross Curitiba / Divulgação.

Para comemorar o Open Data Day, a Open Knowledge Brasil (OKBR) apoiou a realização de alguns eventos em várias cidades brasileiras. Em Maceió (AL), com o Open Data Day Maceió 2017 (ODDMCZ 2017); em Curitiba, com o CodeAcross Curitiba; em São Paulo, com o evento sobre o projeto queriDO. A data tem o objetivo de promover a conscientização e o uso de dados abertos, com direito a palestras, seminários e hackathons, lançamentos de portais ou aplicativos utilizando dados abertos.

No dia 4 de março, em Brasília (DF), o pessoal do Calango Hacker Clube organizou um encontro com o tema para provocação “Rastrear fluxos de dinheiro público”. O evento teve um momento inicial de falas e apresentação de projetos e também a realização de atividades práticas em paralelo.

No encontro, o público teve a oportunidade de conhecer aplicativos cívicos – aqueles desenvolvidos a partir de dados governamentais abertos, com a participação da sociedade civil. Entre eles, teve a apresentação do Operação Serenata de Amor, projeto parceiro da Open Knowledge Brasil, que analisa informações das notas apresentadas pelos deputados para reembolso de despesas da Cota de Atividades Parlamentares.

Outro projeto apresentado foi o Olho nas Emendas (ONE) que é uma ferramenta que mapeia a destinação de recursos para as emendas dos deputados distritais à Lei Orçamentária Anual do DF. O OpenStreetMap foi objeto da terceira apresentação. Ele é um projeto de mapeamento colaborativo para criar mapas livres e editáveis, inspirado em sites como a Wikipédia. Mapeadores de todo o mundo inserem e revisam dados de GPS, fotografias aéreas, imagens de satélite e outras fontes livres. E, por último, o Dojos de programação – reunião de programadores para treinar e aperfeiçoar talentos com algoritmos.

“Espera-se que eventos dessa natureza incentivem o desenvolvimento de aplicativos para aprimorar a transparência pública e ampliar a participação social”, conta Neide de Sordi, representante da OKBR no Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a elaboração do 3º Plano de Ação brasileiro da OGP.

Flattr this!

CodeAcross Curitiba reúne membros do governo e sociedade civil

Elza Maria Albuquerque - March 4, 2017 in Destaque, Eventos

Como parte dos eventos do Open Data Day, neste final de semana, nos dias 4 e 5, o evento CodeAcross Curitiba – espécie de hackathon cívico – vai reunir cidadãos de diferentes áreas (designers, desenvolvedores, estatísticos, servidores públicos, redatores, ativistas, técnicos, entre outros) para participar do censo de dados abertos das centenas de cidades envolvidas em todo o mundo. O evento é uma realização do Code for Brazil e vai acontecer no SafeSpace de CivicTech e OpenData de CodeForCuritiba no Jupter TechSpace. “O CodeAcross é uma extensão do Dia Internacional de Dados Abertos, também celebrado neste final de semana, e criado pelo Open Knowledge Foundation. Para apoiar esse dia e celebrar a parceria com a OKF, o Code for America criou o CodeAcross”, comenta Stephan Garcia, cofundador do OpenBrazil – a filial nacional do CodeForAmerica.

OPEN DATA DAY

O Dia dos Dados Abertos é uma celebração anual dos dados abertos em todo o mundo. É uma oportunidade para mostrar os benefícios dos dados abertos e encorajar a adoção de políticas de dados abertos no governo, empresas e na sociedade civil.

MAIS INFORMAÇÕES

CodeAcross Curitiba Quando: 4 e 5 de março de 2017 Inscrições: https://doity.com.br/codeacross2017 Local: Jupter TechSpace – R. Gen. Carneiro, 1031 – Curitiba – PR Contatos:  Stephan Garcia (41) 99953-9966 Nima Kaz (41) 99775 – 1093 Camila Braga (41) 99918 – 8133 Links úteis:  Open Data Day CodeAcross Flattr this!

CodeAcross Curitiba reúne membros do governo e sociedade civil

Elza Maria Albuquerque - March 4, 2017 in Destaque, Eventos

Como parte dos eventos do Open Data Day, neste final de semana, nos dias 4 e 5, o evento CodeAcross Curitiba – espécie de hackathon cívico – vai reunir cidadãos de diferentes áreas (designers, desenvolvedores, estatísticos, servidores públicos, redatores, ativistas, técnicos, entre outros) para participar do censo de dados abertos das centenas de cidades envolvidas em todo o mundo. O evento é uma realização do Code for Brazil e vai acontecer no SafeSpace de CivicTech e OpenData de CodeForCuritiba no Jupter TechSpace. “O CodeAcross é uma extensão do Dia Internacional de Dados Abertos, também celebrado neste final de semana, e criado pelo Open Knowledge Foundation. Para apoiar esse dia e celebrar a parceria com a OKF, o Code for America criou o CodeAcross”, comenta Stephan Garcia, cofundador do OpenBrazil – a filial nacional do CodeForAmerica.

OPEN DATA DAY

O Dia dos Dados Abertos é uma celebração anual dos dados abertos em todo o mundo. É uma oportunidade para mostrar os benefícios dos dados abertos e encorajar a adoção de políticas de dados abertos no governo, empresas e na sociedade civil.

MAIS INFORMAÇÕES

CodeAcross Curitiba Quando: 4 e 5 de março de 2017 Inscrições: https://doity.com.br/codeacross2017 Local: Jupter TechSpace – R. Gen. Carneiro, 1031 – Curitiba – PR Contatos:  Stephan Garcia (41) 99953-9966 Nima Kaz (41) 99775 – 1093 Camila Braga (41) 99918 – 8133 Links úteis:  Open Data Day CodeAcross Flattr this!

Projeto busca tornar o Diário Oficial mais acessível

Elza Maria Albuquerque - March 3, 2017 in Destaque, Eventos

  O acidente da ciclovia Tim Maia, obra da Concremat, fez com que um grupo de amigos, entre eles Bruna Santos, João Meirelles, Henrique Lorea e Carol Araújo, passasse a noite tentando extrair informações do Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro sobre os contratos do município com a empreiteira. A tarefa começou em julho de 2016 e foi a partir dela que eles tiveram a ideia de um software capaz de extrair sistematicamente informações do diário e torná-las verdadeiramente abertas. “O Diário Oficial é como um blog importantíssimo, mas que ‘ninguém’ lê. Um Diário que é ‘aberto’ apenas por alguns usuários descontentes. Na tentativa de torná-lo aberto e reutilizável, não só no formato, mas na linguagem, iniciamos uma saga não só de programação, mas de idealização desse projeto que chamamos carinhosamente de ‘nosso querido diário oficial’. O nome ‘queriDO’ é uma redução abreviada do nome original, tendo em vista a abreviação usual dos diários oficiais do Brasil como DO”, conta Peter Krauss, um dos idealizadores do projeto.

O projeto ganha estrutura

O queriDO chamou a atenção do Govlab de NY, que apoiou o projeto entre agosto e outubro de 2016 com um programa de mentoria. Esse apoio ajudou a formalizar o projeto, e relacioná-lo com outras iniciativas. Entre agosto e setembro de 2016, o projeto se tornou conhecido pela Open Knowledge em uma reunião para construção do plano estratégico da organização. Foi aí então que surgiu a ideia de unificar o queriDO com o Diário Livre, desenvolvido pelo COLAB-USP e apoiado pela OKBR, “que é um projeto já maduro com metas e softwares semelhantes”, detalha Peter. A partir desse momento, o grupo decidiu organizar o material dos diários em um repositório coletivo, e planejar um passo a passo para que o software tanto pudesse ajudar a automatizar a metodologia do grupo, como generalizar e reutilizar alguma coisa do Diário Livre e do TrazDia. O queriDO teve aprovação do coletivo e da diretoria da OKBR em outubro de 2016. “Além das metas e motivações serem bastante alinhadas com a proposta da OKBR, o queriDO se tornou um projeto incubado da Plataforma de Projetos, e pode servir de infraestrutura (base de dados e processamento pesado) para outros projetos, inclusive o Gastos Abertos, que atualmente é o maior, e carece de vínculo entre os dados das planilhas, tais como valores de obras do governo, e sua origem no Diário Oficial, ou seja, o texto dos contratos que descrevem as obras”, explica Peter.

Momento atual

Além do Peter, a equipe do projeto conta com mais quatro pessoas: Bruna, João, Henrique e Marco Zanchi. “Atualmente o desenvolvimento do software recebeu a importante colaboração do Marco, que vai também iniciar uma outra frente, um subprojeto com o Andres Martano e possivelmente o pessoal do Diário Livre, para generalizar a recuperação de diários oficiais de outros municípios”, afirma. O projeto passou recentemente por uma reformulação consistente com as metas da OKBR: o queriDO a partir de 2017 passou a enfatizar e a oferecer recursos para o acolhimento de grupos de interesse. Surgiram as curadorias que têm o objetivo de definir os ‘alvos’, estabelecer para quais assuntos e diários oficiais desejam voltar seus olhares, fazer suas explorações e, mais tarde, entregar seus relatórios e pareceres. “Queremos estar prontos para, por exemplo, receber demandas dos Líderes do Gastos Abertos”, conta Peter.

QueriDO no Open Data Day

Neste sábado (4/03), às 10h, como parte Open Data Day, os idealizadores do queriDO vão realizar um encontro sobre o Diário Oficial no Centro Cultural Vergueiro, em São Paulo. O objetivo principal é a divulgar o projeto e atrair mais interessados em participar, principalmente programadores e jornalistas (profissionais ou amadores). O evento vai contar sobre o projeto e os próximos passos. Além disso, o objetivo é também realizar uma atividade em grupo para falar sobre um serviço que pode ser realizado a partir do uso da API que o grupo está desenvolvendo. Mais informações no evento criado no Facebook. Programação 10h00 – Café e conversa informal com Marco, Peter e outros membros da OKBR, e registro de interesse. 10h30 – Apresentação formal do projeto. 11h00 – Workshop – separar em grupos com a tarefa 11h45 – Apresentação das ideias 12h15 – Finalização Flattr this!