You are browsing the archive for WIkipedia.

Kulttuurihakkerit avoimien arkistojen kimpussa – 20 uutta konseptia viikonlopun aikana

- May 11, 2017 in 2017, avoin glam, creative commons, Featured, gallen-kallela, Hack4FI, hack4fi 2017, hackathon, helsingin kaupunginmuseo, kulttuuri, mannerheim, Open GLAM, projects, vr, wikimedia, WIkipedia, yle

Kuva: Mika Honkanen Viime viikonloppuna kolmatta kertaa järjestetty Hack4FI – Hack your heritage -kulttuurihackathon onnistui jälleen yli odotusten. Ylen studiotalossa pidetyssä tapahtumassa kävi viikonlopun aikana noin 80 henkeä. Yli 50 kehittäjää (kulttuurihakkeria) – taiteilijaa, graafista suunnittelijaa, koodaria, muotoilijaa, käsikirjoittajaa ja humanistia Suomesta ja ulkomailta – loivat yhdessä lähes 20 uutta sovellusta, sovelluskonseptia, demoa, datavisualisointia ja verkkotyökalua. Yksi moniammatillisista tiimeistä esimerkiksi kehitti tekoälyyn perustuvan tavan muuntaa mustavalkoisia videoita ja kuvia värilliseksi. Useampi ryhmä tarttui Helsingin kaupunginmuseon haasteeseen kehittää virtuaalitodellisuuden hyödyntämiseen perustuvaa Aikakone-näyttelyä museon tiloissa. Moni innostui myös luomaan tapoja tuoda suomalaista kulttuuriperintöä Wikipediaan. “Ylelle oli suuri ilo antaa tilat ja teknologia Hack4FI-tapahtuman käyttöön. Oli hienoa nähdä, miten eri alojen osaajien yhteisellä innostuksella ja työllä saadaan muutamassa päivässä aikaiseksi jotain ihan uutta ja inspiroivaa. Toivon, että nyt kolmena vuonna peräkkäin järjestetty tapahtuma muodostuu kulttuurialan yhteiseksi perinteeksi ja saa jatkoa myös ensi vuonna”, Ylen arkistopäällikkö Katri Vänttinen toteaa. Pohjoismaiseen Hack your heritage -perheeseen kuuluva Hack4FI perustuu vapaasti käytettävissä olevien digitaalisten kulttuuriperintöaineistojen hyödyntämiselle uusien töiden luomiseksi. Materiaalina toimivat esimerkiksi valokuvat, vanhat kartat, maalaukset, äänimaisemat, sekä aineistoja kuvaavat metatiedot. Tänä vuonna suosituimmiksi nousivat Helsingin Kaupunginmuseon, Finnan, Helsingin kaupungin, Mannerheim-museon, Yle Arkiston ja Gallen-Kallela -museon aineistot. Aineistoja tarjoavista yhteistyökumppaneista vuoden museoksi valittu Helsingin kaupunginmuseo avasi hiljattain (HS 26.4.2017) peräti 45 000 korkearesoluutioista kuvaa vapaasti hyödynnettäväksi. Hienona ja ajankohtaisena avauksena aineisto oli hackathonissa erityisen suosittu.

Muutamia esimerkkejä viikonlopun aikana tehdyistä töistä:

The HoboTram täydentää kävijäkokemusta Helsingin kaupunginmuseossa keinotodellisuuden (VR) keinoin. Käyttäjä voi aikamatkustaa raitiovaunulla, nähdä historiallisia maisemia ja kuulla tunnetun laitapuolen kulkijan J.K. Harjun tarinoita ja mietteitä. The HoboTram kruunattiin hackathonissa yleisön suosikiksi. Image and video colorization with AIkeinoälyn avulla tehdään mustavalkokuvista ja -videoista värillisiä. Kuvat ja videot saavat uutta elämää kun ne väritetään! Mannerheim-museon kuvista tehtiin hauska gif-animaatiotyökalu Mannerheim goes GIF. Toisessa työssä (GMxAG)  leikiteltiin Mannerheimin ja Akseli Gallen-Kallelan välisellä ystävyydellä. Tuloksena luotiin Gallen-Kallelan tyylille ominainen kuvafiltteri, joka yhdistettynä Mannerheimin kuviin synnytti Gallen-Kallela-henkistä Mannerheim-taidetta. AR Wiki statues -tiimi kehitti lisätyn todellisuuden sovelluksen, jossa katsomalla kaupungin eri patsaita älypuhelimen kameran kautta saa patsaista lisätietoa. Toinen Wikimedia-aiheinen projekti Wikidocumentaries hahmotteli yhdessä Finnan kanssa eri tapoja, joilla Finnan valtavan kulttuuriaineistotietokannan tietoa ja kuvia voidaan kätevästi hakea ja yhdistää muuhun avoimeen aineistoon ja viedä Wikimedian projekteihin, kuten Wikipediaan. Muutama hackathonin aikana ideoitu työ jatkaa myös Ylen Beta Challenge -kilpailussa. Yle Beta Challenge on Ylen ideahautomon haastekilpailu, jossa etsitään tulevaisuuden mediakokemuksia ja tekijöitä. Hack4FI-hackathonin projektien esittelyt löytyvät verkosta osoitteesta https://hackdash.org/dashboards/hack4fi17. Videotaltioinnit projektien loppuesityksistä julkaistaan myöhemmin. Lähes kaikki tuotokset on julkaistu Creative Commons BY-SA 4.0 -lisenssillä, mikä tarkoittaa että tuotokset ovat helposti kaikkien hyödynnettävissä. Useiden sovellusten (kuten keinoälyvärityksen) ns. lähdekoodi on kaikkien käytössä GitHubissa, eli sitä voivat muut esimerkiksi kehittää edelleen.

Mikä ihmeen hackathon?

Sanoista ”hack” ja ”marathon” muodostuva “hackathon” tarkoittaa intensiivistä, päivästä viikkoon kestävää työskentelyjaksoa, jonka aikana joukko ihmisiä kokoontuu yhteen suunnittelemaan ja toteuttamaan yhteisvoimin erilaisia ohjelmistoja tai sovelluksia. Hackathoneista on tullut erittäin suosittu avoimen innovaation keino, myös kaupallisten ideoiden kilpailuttamiseen ja kiihdyttämiseen. Perinteisesti hackathonit ovat ennen kaikkea yhteisöä vahvistava ja yhteistyöhön kannustava toimintamuoto. Avoimen datan ja tietovarantojen ympärille syntyvä uusi liiketoiminta on mainittu jopa hallitusohjelmassa. Open Knowledge Finland näkee avoimen datan hyödyntämisen merkitykselliseksi kuitenkin myös laajemmassa yhteiskunnallisessa kontekstissa ja aikamme suurten haasteiden ratkaisemisessa. Esimerkiksi perjantaina 5.5.2017 yhdistys toteutti Demokratiahackin yhdessä Sitran ja Tulevaisuuden valtiopäivät -tapahtuman kanssa. Tiedon jakamisen kautta “valta” hajaantuu useammalle, ja avoimuus edistää demokratiaa.

Kuvia:

Matalaresoluutioisia kuvia (Kuvaaja: Sini Peura) Hack4FI -tapahtumasta on saatavilla kansiosta: http://okf.fi/hack4fi-kuvat. Muita kuvia saatavilla pyynnöstä. Ks. myös aiempi tiedote (6.5.):

Lisätietoja:

Hack4FI – Hack Your Heritage: http://hack4.fi/ Sanna Marttila, projektipäällikkö, sanna.marttila@okf.fi, p. 040 144 2103. AvoinGLAM järjestää Hack4FI – Hack your heritage -hackathonin yhteistyössä Yleisradion kanssa. AvoinGLAM (Galleries, Libraries, Archives & Museums) on osa kansainvälistä OpenGLAM-verkostoa, joka koostuu avoimien sisältöjen ja tiedon kanssa työskentelevistä toimijoista. Verkosto tekee yhteistyötä GLAM-organisaatioiden kanssa, järjestää työpajoja ja seminaareja, sekä jakaa tietoa ja kokemuksia avoimesta kulttuurista ja kulttuuriaineistojen avaamisesta. Lisätietoja: avoinglam.fi. AvoinGLAM on osa Open Knowledge Finland ry:tä, vuonna 2012 perustettu yhteisölähtöinen voittoa tavoittelematon organisaatio, joka toimii osana kansainvälistä Open Knowledge -verkostoa. Yhdistys edistää tiedon avoimuutta, avoimen tiedon hyödyntämistä, sekä avoimen yhteiskunnan kehittymistä sen eri sektoreilla. Lisätietoja: http://www.okf.fi. Kuva: Sini Peura Kuva: Sini Peura The post Kulttuurihakkerit avoimien arkistojen kimpussa – 20 uutta konseptia viikonlopun aikana appeared first on Open Knowledge Finland.

Thesshack-Wiki Hackathon

- October 21, 2016 in DPpedia, Featured, Featured @en, hackathon, News, WIkipedia, ανοικτά δεδομένα

Με επιτυχία πραγματοποιήθηκε το wiki hackathon με τίτλο “Thesshack”, το οποίο διεξήχθη το Σάββατο 15 Οκτωβρίου στο Κέντρο Διάδοσης Ερευνητικών Αποτελεσμάτων (ΚΕ.Δ.Ε.Α) του Αριστοτέλειου Πανεπιστημίου Θεσσαλονίκης. Την εκδήλωση συνδιοργάνωσαν το Wikimedia User Group Greece, το Open Knowledge Greece, η SheSharp Greece και το επίσημο φοιτητικό παράρτημα της ACM στο ΑΠΘ. Στο επίκεντρο της συζήτησης βρέθηκαν […]

Thesshack-Wiki Hackathon

- October 21, 2016 in DPpedia, Featured, Featured @en, hackathon, News, WIkipedia, ανοικτά δεδομένα

Με επιτυχία πραγματοποιήθηκε το wiki hackathon με τίτλο “Thesshack”, το οποίο διεξήχθη το Σάββατο 15 Οκτωβρίου στο Κέντρο Διάδοσης Ερευνητικών Αποτελεσμάτων (ΚΕ.Δ.Ε.Α) του Αριστοτέλειου Πανεπιστημίου Θεσσαλονίκης. Την εκδήλωση συνδιοργάνωσαν το Wikimedia User Group Greece, το Open Knowledge Greece, η SheSharp Greece και το επίσημο φοιτητικό παράρτημα της ACM στο ΑΠΘ. Στο επίκεντρο της συζήτησης βρέθηκαν […]

Como podemos usar a tecnologia para diminuir o assedio sexual e violência contra as mulheres?

- October 25, 2015 in abismo de gênero, aborto, aplicativo cívico, assedio, Chega de Fiu Fiu, congresso nacional, Daniela Silva, desafio, Destaque, Disque 100, estultice, estupro, Eventos, financiamento, Garoa, governo, Hackatona, Hackday, Juliana de Faria, leis, mulheres, PL 5069/2013, Sociedade, sustentabilidade, tecnologia, Thik Olga, Toró de ideias, Transparência Hacker, violência sexual, WIkipedia

Estupro no Brasil

Fonte: página Quebrando o Tabu.

Diante do cenário gritante de uma sociedade machista, esse artigo é uma chamada para ação. Os números divulgados pelo IPEA em relatório de 2014 são assustadores: 527 mil pessoas são estupradas por ano no Brasil, o que dá aproximadamente uma pessoa por minuto, sendo 89% mulheres e 70% crianças. Temos também relatos chocantes de casos de primeiro assedio relatos nas redes sociais por mulheres de todo Brasil (veja no Twitter a hashtag #primeiroassedio). Mesmo diante desse quadro, ainda temos que ver projetos de lei em nosso congresso como o PL 5069/2013, do deputado Eduardo Cunha, aprovado pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) esses dias, que criminaliza o uso de substâncias abortivas e obrigas mulheres que sofreram estupro e exige que, para um aborto ser realizado, a vítima é obrigada a fazer exame de corpo de delito e comunicar à autoridade policial. Já temos exemplos onde mulheres estão sendo processadas após denunciarem abuso sexual. “Nos países ibero-americanos, é disseminada a ideia de que mulher mente e recorre à lei para prejudicar o companheiro”, diz Wânia Pasinato, coordenadora de acesso à Justiça da ONU Mulheres. Indepentemente das estultices de alguns erepresentantes do Congresso Nacional, precisamos agir. Recentemente conheci o projeto Chega de Fiu Fiu (chegadefiufiu.com.br), da Think Olga, um Think Tank com o objetivo de aumentar o poder das mulheres por meio do acesso à informação. Recentemente, no Ibirapuera, em  mais uma excelente iniciativa da Olga, assistir o ótimo filme Filha da Índia (India’s Daughter), da diretora Leslee Udwin, onde mostra um caso emblemática da reação da sociedade indiana por causa de um triste caso de estupro e ainda números gritantes sobre a violência contra mulheres ao redor do mundo, até mesmo nos países do norte global, também conhecidos como “desenvolvidos”. Na página do filme há mais informações sobre esses dados e ações, como uma campanha contra violência doméstica para mudar esse quadro.
Lei sobre o aborto por país

Legislação sobre o aborto por país
Azul: Legal. Verde: Ilegal, exceto em caso de estupro/violação, risco à vida da mãe, problemas de saúde física ou mental, fatores socioeconômicos e/ou defeitos no feto. Amarelo: Ilegal, exceto em casos de estupro/violação, risco à vida da mãe, problemas de saúde física ou mental e/ou defeitos no feto. Marrom: Ilegal, exceto em casos de estupro/violação, risco à vida da mãe e/ou problemas de saúde física ou mental. Laranja: Ilegal, exceto em casos de risco à vida da mãe e/ou problemas de saúde física ou mental. Vermelho: Ilegal e sem exceções. Preto: Varia por região. Cinza: Não há informações. Fonte: Wikimedia Commons

 

Ações

Eu gostaria de convidar todos os que se sensibilizarem com esse problema a pensarmos o que podemos fazer com o uso da tecnologia para diminuir o assedio sexual e violência contra as mulheres. Algumas ideias simples abaixo, mas se você tiver outras, envie seu comentário!

A) Aplicativo para celular que alimente o Chega de Fiu Fiu

Gostaria de convidar todos meus colegas de comunidades hackativistas (Transparência Hackers, Garoa Hacker, Open Knowledge Brasil, desenvolvedores independentes e outros) a desenvolvermos um apicativo para celular que alimente o site Chega de Fiu Fiu. Atualmente, para uma mulher ou menina relatar um caso de assedio, é necessário preencher uma planilha dentro do próprio site. Já existe o aplicativo Projeta Brasil, desenvolvido pela Ilhasoft de Alagoas, que mapeia diversas instituições para denúncias de casos que violem direitos humanos (violência sexual, trabalho infantil, violência sexual, violência física etc.), facilitando a pessoa achar o endereço e telefone da instituição mais próxima para relatar alguma violação ou ligar diretamente para o Disque 100, Ouvidoria Nacional responsável por receber, examinar e encaminhar as denúncias de violações de direitos humanos. (Temos que entrar em contato com a empresa para pedir a base de dados essas instituições) Recentemente submetemos uma proposta de projeto  para o edital de governo aberto da cidade de São Paulo, análogo ao que proposmo aqui, mas não fomos contemplados. A proposta foi elaborada em parceria entre a Open Knowledge Brasil e a Think Olga (obrigado, Juliana de Faria, Luíse Bello e Isabela Meleiro). Mesmo assim, acredito que podemos juntar esforços e realizar um hackday ou hackatona onde devenvolveremos esse aplicativo cuja necessidade me parece ululante. Hackaday: minha sugestão é aproveitarmos a vinda da Daniela Silva (Open Society Foundations) ao Brasil, no dia 20 de novembro, já que ela está organizando um hackday junto a comunidade Transparência Hackers. Daniela é uma das fundadoras da comunidade Transparência Hackers junto ao Pedro Markun e da RodAda Hacker, que dá oficinas de programação para mulheres, tão excluídas dos meios tecnológicos. Sustentabilidade e financiamento: se devenvolver um aplicativo bacana, precisaremos que este seja sustentável e possamos mantê-lo. Não preciso nem mencionar que esse aplicativo cívico deve ter seu código aberto. Eu acredito que podemos fazer um financiamento coletivo via alguma plataforma voltada para isso (e. g., a Juntos com Você, site de financiamento coletivo para projetos sociais). Mas precisamos antes qual tecnologia vamos usar para o aplicativo e estimarmos os custos para mantê-lo e eventuais customizações. Podemos usar a infraestrutura da Open Knowledge Brasil para manter o projeto. Além do financiamento coletivo, sugestões de potenciais organizações financiadores para esse projeto são bem-vindas! Inspirações: Uma amiga sueca me recomendou dois projetos que usam o SMS para enviar informações geolocalizadas. O SMS-LIfeSavers, projeto que ela coordena e que envia SMS para civis treinados para fazer massagem cardio vascular. E o PulsePoint, que faz algo análogo. Na Argetina também criaram um projeto semelhante ao Chega de Fiu Fiu, o Habla me Bien, mas aparentemente está fora do ar.

B) Melhorarmos páginas na Wikipédia sobre o tema

É sabido que a Wikipedia é uma das maiores fontes de informações do mundo e seu caráter educacional usado por milhões de pessaos no mundo todo, em centenas de línguas. Dia 31 de outubro já está sendo organizada a  terceira editatona (inscrições aqui) da Wikipédia em São Paulo, também organizada pela Olga, onde voluntários se reunirão para capacitar mais mulheres a editar a enciclopédia livre, ainda mais com um abismo de gênero entre os editores da Wikipédia (veja mais sobre isso em Gender gap task force, um projeto da comunidade anglófona da Wikipedia). A iniciativa é ótima e sugiro melhorarmos os seguintes verbetes, alguns ainda inexistentes em português:

C) Parceria com autoridades responsáveis pela segurança pública e das mulheres

Por fim, precisamos após esse mapa de ações das autoridades competentes pelos casos de violações de direitos humanos e segurança dos brasileiros. Esse aplicativo da primeira proposta vai produzir dados sobre a violência e assédio contra as mulheres. Precisamos ver quais são os órgãos governamentais responsáveis por lidar com essas denúncias para facilitar a ação das autoridades competentes. Se alguém tiver sugestões qual seria a melhor forma de iniciarmos esse diálogo, com quem podemos começar o diálogo ou possuem algum contato, deixe nos comentários desse post. Esperamos que esse post seja apenas um ponta pé incial para oragnizarmos iniciativas e ações para diminuir esse grave mal que é o assedio e violência contra mulheres! Se souber de mais algum iniciativa no Brasil e pelo mundo, deixe um comentário!

Ver também

Flattr this!

Wiki Loves Monuments: inscrições até o dia 30 de setembro

- September 15, 2015 in brasil, concurso, creative commons, Eventos, wiki, wikimedia, WIkipedia

O Wiki Loves Monuments (WLM) é um concurso internacional de fotografia que tem por objetivo reunir imagens de qualidade que retrate monumentos de relevância histórica para os países associados à disputa. Qualquer um pode participar! Basta fotografar um dos patrimônios tombados listados no concurso e criar uma conta no Wikimedia Commons, caso não tenha uma. O prazo de envio de fotos inicia no dia 10 de setembro e vai até 30 do mesmo mês. O WLM é dividido em duas etapas: nacional e internacional, respectivamente. Na primeira etapa, serão selecionadas as 10 melhores fotografias tiradas em território brasileiro dentre todas as imagens submetidas ao concurso, que posteriormente serão encaminhadas para a etapa internacional, que será iniciada em novembro. Na lista de monumentos, encontram-se sítios arqueológicos, edificações e demais patrimônios históricos recomendados. As imagens serão julgadas por fotógrafos profissionais e serão realizadas avaliações técnicas e artísticas. O primeiro colocado brasileiro receberá como prêmio R$3.000,00 (três mil reais), o segundo R$2.000,00 (dois mil reais) e o terceiro colocado R$1.000,00 (mil reais). A organização do concurso está em fase de negociação com alguns centros culturais brasileiros das principais capitais nacionais a fim de realizar exposição fotográfica com as fotos vencedoras e principais destaques do concurso. O coordenador de projetos do Grupo Wikimedia Brasileiro de Educação e Pesquisa, Rodrigo Padula, explica: “Os concursos fotográficos promovidos pelo movimento Wikimedia têm contribuído significativamente para a melhoria do acervo de imagens Wikimedia Commons e, consequentemente, a qualidade visual dos artigos da Wikipedia e de demais projetos mantidos pela Wikimedia Foundation. Todas as fotos submetidas durante estes concursos são publicadas em licenças Creative Commons, que permitem sua utilização em materiais diversos (incluindo material comercial) e em conteúdos educacionais. Além disso, reforça em seus participantes e colaboradores a importância do registro e conservação do patrimônio histórico mundial”. Prazo de envio das fotos: de 1 a 30 de setembro de 2015 Anúncio dos vencedores: de 20 a 31 de outubro de 2015 Início da etapa internacional: 1 de novembro de 2015 Flattr this!

Aaron Swartz: contra a privatização do conhecimento

- September 8, 2015 in Aaron Swartz, ciência aberta, colaboração, computação, Conhecimento Livre, Destaque, emprego, governo aberto, JSTOR, programação, reddit, Sociedade, WIkipedia

Aaron Swartz num encontro da Wikipédia em Boston, em 2009

Aaron Swartz num encontro da Wikipédia em Boston, em 2009. Crédito: Sage Ross

Segundo Aaron Swartz, programador americano, escritor, organizador político e ativista na Internet falecido em 2013, informação é poder. Em seu “manifesto da Guerrilla Open Access“, Swartz revela que embora o patrimônio científico e cultural da humanidade venha sendo crescentemente digitalizado, seu acesso tem sido regulado por algumas corporações privadas que o vendem, a um preço por vezes muito caro, para uma minoria de privilegiados. No entanto, há aqueles que reconhecem a injustiça da concentração e da restrição do acesso a todo esse patrimônio. Trata-se do Open Access Movement (Movimento do Acesso Aberto). Eles lutam para que cientistas publiquem seus trabalhos na internet sob termos que permitam o acesso a qualquer pessoa. Mesmo assim, afirma, esse esforço só servirá para as publicações futuras. Tudo até agora vem sendo perdido. No momento, pesquisadores são obrigados a pagar para ler o trabalho de seus colegas. Bibliotecas são digitalizadas, mas apenas o pessoal do Google pode lê-las. E artigos científicos são fornecidos para grandes universidades de elite do primeiro mundo, mas não para as crianças do sul global. Como solução, Swartz convoca seus leitores ao contra-ataque: todos aqueles com o privilégio do acesso a esses recursos têm o dever moral de compartilhar o conhecimento, seja disponibilizando senhas ou downloads para colegas. Ele nos assegura de que aqueles que não têm acesso já vêm se esgueirando em busca de informações por meio da pirataria — termo que sugere que o compartilhamento de conhecimento é um crime equivalente ao saque de bens de um navio e ao assassinato de sua tripulação — mas que, pelo contrário, compartilhar é um imperativo moral. “Não há justiça em seguir leis injustas. É hora de vir para a luz e, na grande tradição da desobediência civil, declarar nossa oposição a este roubo privado da cultura pública”, afirma Swartz. E recomenda: é necessário pegar informações, onde quer que elas estejam armazenadas, fazer cópias e compartilhá-las com o mundo. É preciso pegar o material que está fora do copyright e adicioná-lo ao arquivo, comprar bancos de dados secretos e colocá-los na Web, baixar revistas científicas e subi-las para redes de compartilhamento de arquivos. É preciso, ressalta o ativista, lutar pela Guerilla Open Access. Todo o idealismo de Swartz surge de uma profunda consciência de seus privilégios. Em “How to get a job like mine” (“Como conseguir um trabalho como o meu“, em tradução livre), Swartz lista alguns deles — ele vem de uma família endinheirada, é homem e americano — e descreve sua trajetória: de um garoto de Chicago com um grande interesse pela internet a um dos principais ativistas pela democratização do conhecimento. Em sua fala, ele revela uma verdadeira inquietação pelo conhecimento. Sua busca começou ainda adolescente, ao procurar saber tudo o que pudesse sobre computadores, a Internet e a cultura da Internet. Aos treze anos, já tinha aprendido a construir sites, aplicações da web e já começava a ter ideias para seus primeiros projetos — uma enciclopédia colaborativa e um agregador de links. Em pouco tempo, se envolveu na criação do sistema de feeds RSS e co-fundou o Reddit, um site de avaliação de links para conteúdo na web. Ao longo de sua jornada, teve que se conectar com milhares de pessoas que pensavam como ele por meio de listas de e-mails, ligações telefônicas e fóruns de internet, descobrindo o real poder da colaboração em massa. Após vender o Reddit para a Condé Nast, empresa dona da Wired, Swartz se mudou junto com sua equipe para São Francisco. Ele afirma ter odiado a Wired e a vida de escritório. Aos poucos, foi ficando cada vez mais insatisfeito, até que pediram para que ele se demitisse. Depois de sua tentativa de se adaptar ao mundo corporativo, resolveu iniciar outros projetos: fundou a Open Library, mantida pelo Internet Archive, e o site Watchdog.net, para agregar e visualizar dados sobre políticos americanos. Ao final de seu discurso, ele nos brinda com uma série de conselhos: cultive a sua curiosidade, diga sim às oportunidades e presuma que ninguém mais tenha ideia do que está fazendo também. Segundo Aaron, “pouca gente realmente tem alguma ideia de como fazer as coisas de maneira correta e menos ainda está disposta a tentar coisas novas, então normalmente se você der o seu melhor em alguma coisa você vai se dar muito bem.” Em janeiro de 2011, Aaron Swartz foi preso pelas autoridades federais americanas, após usar a rede do MIT para descarregar sem cobrança grandes volumes de artigos da revista científica JSTOR. Ele foi acusado pelo governo dos EUA pelo crime de invasão de computadores — podendo enfrentar até 35 anos de prisão ou uma multa superior a um milhão de dólares — por ter usado formas não convencionais de acesso ao repositório da revista. Swartz era contrário à prática da JSTOR de compensar financeiramente as editoras, e não os autores, e de cobrar o acesso aos artigos, limitando o acesso para fins acadêmicos. Dois anos depois, em janeiro de 2013, Aaron foi encontrado enforcado no seu apartamento em Crown Heights, Brooklyn – num aparente suicídio. Após sua morte, a promotoria federal retirou as acusações contra ele. Flattr this!

Wikipedia na Universidade: enciclopédia vira ferramenta de ensino em sala de aula

- July 27, 2015 in Conhecimento Livre, Fisl, Parceiros, Sociedade, UFRGS, universidade, WIkipedia

Maior enciclopédia do mundo, a Wikipedia vem ganhando um reforço de peso entre seus colaboradores. Por meio do projeto Wikipedia na Universidade, alunos e professores realizam atividades em sala de aula ao mesmo tempo que desenvolvem pesquisas sobre os temas do curso e colaboram com a edição de verbetes relacionados na enciclopédia. O projeto é realizado no Brasil desde 2011 e está presente em mais de 10 universidades no país. O projeto já teve sua participação em sua coordenação de Célio Costa Filho, conselheiro da Open Knowledge Brasil, e Everton Zanella Alvarenga, diretor da mesma organização. É o caso da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde o professor do Departamento de Matemática e voluntário da Wikipedia, Fábio Azevedo, utiliza o site como ferramenta de ensino. Na 16ª edição do Fórum Internacional do Software Livre, que acontece em Porto Alegre, ele apontou os benefícios da iniciativa: “ao escrever os verbetes, o estudante pode pesquisar, buscar referências, resumir informação e organizar o pensamento, além de aprender como funciona a produção de conteúdo online”, avalia. Por outro lado, aponta Fábio, o projeto leva a Wikipedia para o centro do conhecimento, que é a universidade: “essa aproximação pode melhorar a qualidade dos conteúdos da enciclopédia, atrair novos editores e renovar a comunidade que mantém a Wikipedia com pessoas muito qualificadas”. Esse contato, de acordo com o professor, pode contribuir também para aumentar a aceitação da Wikipedia, que, por muitos, não é vista como uma fonte confiável: “qualquer fonte está sujeita a erro, mas os projetos colaborativos ou feitos por muitas pessoas sofrem mais resistência do que grupos editoriais com assinatura”, conclui. Qualquer professor ou estudante pode editar voluntariamente a Wikipedia, já que a enciclopédia é uma plataforma aberta. É possível, também, atuar com o apoio da comunidade “Wikimedia Fundação” que mantém a Wikipedia. Os interessados podem escrever para o e-mail educacao@wikimedia.org e acessar materiais de apoio para o desenvolvimento do projeto.

Confira 5 vantagens pedagógicas de se usar a Wikipedia, pelo professor Fábio Azevedo

  1. melhora o conhecimento do aluno ao escrever um verbete;
  2. aumenta o conhecimento do estudante durante o processo de pesquisa e escrita;
  3. torna-se capaz de entender melhor os fluxos de como a informação chega nas outras pessoas;
  4. aprofunda-se em tópicos de interesse do próprio do aluno em vez de assuntos generalistas;
  5. para a Wikipedia, a participação dos estudantes ajuda a divulgar a enciclopédia e melhora o conteúdo do site.
Mais informações: http://educacao.wikimedia.org/ Post adaptado da matéria de Anderson Falcão, no portal EBC. Flattr this!

Dutch cultural heritage reaches millions every month

- June 23, 2015 in Case Studies, cultural analytics, Featured, GLAM, GLAMetrics, metrics, News, Open Content, Open Cultuur Data, WIkipedia

The cultural sector increasingly makes its collections available as open data and open content. These types of initiatives bring along the growing need of measuring their impact. On either a national or international level, there currently is no single body that tracks this type of data across collections. In 2014, the Open Culture Data network therefore […]

Alemanha tem primeiro projeto estatal para melhoria da Wikipedia do mundo

- October 6, 2014 in Alemanha, Conhecimento Livre, Destaque, governo, recursos renováveis, WIkipedia

Por Jutta Schmidt Machado e Jorge Machado A Agência de Recursos Renováveis ​​(FNR) do Governo Federal da Alemanha, decidiu estimular seus servidores a contribuir com a Wikipedia alemã. O resultado foi a criação ou revisão de 557 artigos da área de recursos renováveis e energia. Iniciado em 2007, com financiamento do Ministério da Alimentação, Agricultura e Defesa do Consumidor (BMEL) da Alemanha, o projeto visava melhorar a qualidade de verbetes que eram descritos como muito curtos. A agência tinha a necessidade de fontes de referência atualizadas e de boa qualidade na área de recursos renováveis. Por isso estimulou que seus especialistas trabalhassem colaborativamente no aprimoramento das informações disponíveis na Wikipedia. O trabalho inclui: 1) uma melhor integração e catalogação dos conteúdos através da criação de links entre artigos sobre recursos renováveis; 2) o reordenamento das categorias da Wikipedia e 3)a criação de palavras-chave sobre recursos renováveis em outros artigos. Os artigos foram, em sua maioria, ampliados por especialistas da agência que certificaram as referências de alta qualidade utilizadas em cada um deles. O plano inicial era realizar o projeto através de trabalho não-remunerado, mas para estimular o uso foram utilizadas estratégias que incluíram premiação para o melhor artigo, capacitação para o uso da Wikipedia e suporte via telefone e e-mail. No terceiro ano do projeto, foram também convidados a participar consultores associados, comunidade acadêmica e funcionários no Nova-Institut, parceiro da agência federal. No relatório final do projeto, conclui-se que o Portal sobre recursos renováveis foi um sucesso devido a qualidade alcançada pelos artigos. Destaca-se o grande público de leitores interessados nas páginas e a atração de jornalistas pela iniciativa. Também foram identificadas como principais dificuldades a falta de tempo dos especialistas, a intenção em publicar com nome próprio (e não da Wikipedia) e a necessidade de capacitação. Podemos imaginar o potencial que uma iniciativa dessa teria, se toda administração pública estimulasse de forma continuada seus servidores a contribuir com seu conhecimento para produzir ou melhorar uma enciclopédia aberta para toda a sociedade. Fica esse bom exemplo para refletir. Portal sobre recursos renováveis:
http://de.wikipedia.org/wiki/Portal:Nachwachsende_Rohstoffe Imagem da capa: Plantação de algodão flattr this!

Além da enciclopédia, Wikimedia também tem uma biblioteca

- October 6, 2014 in acervos, arquivos, biblioteca, Conhecimento Livre, digitalização, domínio público, GLAM, wikimedia, Wikimedia Foundation, WIkipedia, wikisource

* Por Luiz Augusto Pereira Fernandes Algo que muitas pessoas desconhecem ou pouco dão atenção é que a Wikimedia, apesar de comumente associada a seu mais popular projeto (Wikipédia), mantém uma dúzia de iniciativas. Todas elas promovem, dentro de várias especificidades, meios de “cada ser humano compartilhar livremente a soma de todo o conhecimento“. Falarei a seguir um pouco do Wikisource mas, antes, gostaria de retomar um pouco dos anos iniciais da Wikipédia, para em seguida apresentar uma das formas de trabalho atual dentro dos Wikisources com possibilidade de cooperação entre bibliotecas e editores dos projetos Wikimedia.
[[Autor:Alexandre_de_Gusmão]], contendo breves informações biográficas e links para  algumas das obras já disponibilizadas parcialmente pelo Wikisource. O box controle de  autoridade permite o acesso aos principais websites com informações complementares sobre o autor e suas obras, sendo alguns deles gerados a partir de catálogos de bibliotecas.

[[Autor:Alexandre_de_Gusmão]], contendo breves informações biográficas e links para algumas das obras já disponibilizadas parcialmente pelo Wikisource. O box controle de autoridade permite o acesso aos principais websites com informações complementares sobre o autor e suas obras, sendo alguns deles gerados a partir de catálogos de bibliotecas.

Histórico Ainda hoje encontramos alguns termos nas Wikipédias cujos links são vermelhos. É a forma como o software MediaWiki encontra para chamar a atenção de que esse termo ainda não possui uma página própria e que eventual clique resultará num formulário de edição convidando o internauta a escrever sobre ele. No começo da Wikipédia era extremamente comum se deparar com dezenas desses links a cada página. As pessoas os seguiam e tinham as mais diversas reações. Caracteres aleatórios (para ver se era isso mesmo que entenderam, uma enciclopédia lhes chamando para iniciar uma definição), mensagens de desapontamento, infração de direitos autorais ao copiar texto de outro website e, ocasionalmente, linhas iniciais de um futuro verbete promissor eram algumas das reações que as pessoas tinham ao deparar-se com tais links. Nos links para títulos de livros certas vezes acontecia ainda outra coisa: a pessoa sabia onde encontrava a íntegra daquela obra e, ao invés de escrever sobre ela, colava seu conteúdo no espaço de edição. Muitos eram os casos de obras disponíveis em meio digital mas com alguma restrição de direito autoral. Muitos outros eram os casos de obras em domínio público ou sob uma licença livre. Até 2003 todas essas páginas eram marcadas para eliminação ou recicladas em verbetes. Mas, os editores da Wikipédia em inglês tiveram a idéia de reunir o envio das íntegras desses textos em um espaço próprio. O nome inicial era simultaneamente um improviso e um trocadilho: Project Sourceberg. “Source” se referindo à natureza dos materiais enviados (textos-fonte para estudos futuros), “berg” em alusão ao Project Gutenberg, já existente, mas com procedimentos de disponibilização de materiais diferentes dos de se publicar em uma plataforma wiki. Desdobramentos diversos foram ocorrendo ao longo dos anos. De um wiki único a cerca de sessenta wikis divididos por idiomas mais um wiki geral de coordenação e para as línguas que ainda possuem pouco material disponível. Ou, se você preferir, uma rede de bibliotecas em meio wiki, especializadas por idiomas. Comum a essa rede de wiki-bibliotecas, pequenos fatos isolados e repetidos foram ocorrendo. Várias pessoas não conseguiam confiar em um ambiente plenamente editável para consultar uma obra já existente e “finalizada”. Outras, confundiam o Wikisource com a Wikipédia e começavam a tentar corrigir informações datadas ou superadas. Outras, ainda, tentavam alterar erros tipográficos e de pontuação, propositais ou acidentais, dos textos originais. Originais de obras digitalizadas e potencialidades Bibliotecas em diversos locais do mundo têm iniciado ou ampliado seus esforços de digitalização de materiais. Essas digitalizações normalmente são feitas em um esforço simultâneo de preservação das peças originais e de disseminação desses mesmos materiais. As peças mais vulneráveis a danos ou extravios são as obras raras. Existem critérios diversos para que um livro ou outro material possa ser considerado como raro. Mas, como um deles refere-se à antiguidade da obra, muitas vezes existirão livros que são raros e em domínio público por sua antiguidade. Geralmente são as digitalizações desse tipo específico de obras que as bibliotecas disponibilizam de forma irrestrita ao público, já que materiais mais recentes ainda estão sujeitos a direitos autorais. A partir dessa constatação que programadores voluntários desenvolveram uma extensão ao MediaWiki que permite trabalhar com essas digitalizações a partir do Wikisource. É importante notar que, com isso, surgiram oportunidades diversas a três públicos diferentes (editores do Wikisource, bibliotecas e outras instituições que assumem para si a missão de colecionar e preservar materiais e, ainda, editores da Wikipédia). Os três têm a mesma finalidade – a disseminação do conhecimento – e poderão se unir em torno de uma mesma digitalização para atingir esse objetivo.
Tela de edição de uma página específica do livro. À direita, imagem digitalizada da página. À esquerda, box de edição do texto correspondente à página. O link instrumentos de  revisão incluem recursos para aumento ou redução de zoom da imagem exibida, bem  como alternância entre a tela atual de edição ou com a digitalização sendo exibida acima  e a caixa de edição exibida abaixo. Esta tela em específico contém o texto de OCR bruto,  gerado de forma automática ao se seguir um dos links vermelhos ilustrados da tela anterior.

Tela de edição de uma página específica do livro. À direita, imagem digitalizada da página. À esquerda, box de edição do texto correspondente à página. O link instrumentos de revisão incluem recursos para aumento ou redução de zoom da imagem exibida, bem como alternância entre a tela atual de edição ou com a digitalização sendo exibida acima e a caixa de edição exibida abaixo. Esta tela em específico contém o texto de OCR bruto, gerado de forma automática ao se seguir um dos links vermelhos ilustrados da tela anterior.

Há casos bem sucedidos dessa união de interesses e recursos, mas se debruçar neles infelizmente causaria a perda de foco deste texto. Esquematizando brevemente:
  • A biblioteca (ou instituição congênere) preserva o item em seu meio impresso e o digitaliza, com recursos próprios ou através de parcerias que possam ser viabilizadas inclusive com os colaboradores de projetos Wikimedia;
  • Os editores do Wikisource e/ou da Wikipédia poderão ajudar a instituição a definir os direitos autorais de cada um dos itens;
  • Os itens em domínio público poderão ter suas digitalizações hospedadas tanto em servidores da própria instituição, quanto diretamente nos servidores da Wikimedia Foundation. A segunda opção, aliás, poderia significar inclusive considerável redução de custos para programas de digitalização de materiais. Hospedar as digitalizações de forma simultânea em ambos os ambientes seria igualmente possível e viável;
  • A partir da extensão ao MediaWiki, editores do Wikisource são capazes de fazer a conversão das digitalizações e respectivos textos reconhecidos por OCR para hipertexto. A partir do hipertexto, por sua vez, uma outra ferramenta é capaz de transformar esses conteúdos em ePub, que fornecerá uma experiência de leitura em meio digital muito mais adequada do que se fosse pela digitalização bruta em si;
  • Se nós estivermos nos referindo a uma obra que contenha ilustrações, tais como dicionários ou enciclopédias, essas ilustrações poderão ser aproveitadas em diversos verbetes da Wikipédia. O texto de obras de referência, aliás, poderá ser utilizado como base a novos verbetes, cabendo aos editores da Wikipédia realizarem as devidas atualizações de seus dados.
Claro que será possível que editores interessados pelo Wikisource e/ou pela Wikipédia explorem essas potencialidades de forma individual, sem contar com nenhuma espécie de apoio das instituições guardiãs dos livros originais (por, dentre outros fatores, digitalizações brutas de materiais em domínio público serem igualmente de domínio público) mas, todos sairiam ganhando se esses esforços se dessem de forma conjunta. As próprias bibliotecas poderiam, dentre outras coisas, economizar recursos ao digitalizarem apenas itens ainda não disponibilizados por outras instituições, utilizando o Wikisource tanto para controle do que já está em meio digital (inclusive verificando sua qualidade de digitalização, que incluiria a apuração se eventuais lacunas de páginas se devem por falhas já no exemplar impresso ou por erro operacional ao digitalizar). Existirão casos em que uma re-digitalização se justifique por motivos além dos de qualidade (presença de autógrafos ou anotações no exemplar específico), mas a atual duplicação descontrolada de digitalizações não parece ter tais características. Instituições cristalizadas há décadas ou séculos poderão possuir ressalvas em confiar à Wikimedia Foundation, existente há cerca de onze anos, a tutela de seus objetos digitais. Mas, além de onze anos para instituições baseadas em internet ser um tempo considerável, todos os conteúdos de todos os projetos Wikimedia são disponibilizados ao público em conjuntos e formatos voltados especificamente ao espelhamento. Ou seja, mesmo com alguma fatalidade ocorrendo, as perdas poderão ser consideravelmente minimizadas. (*) Luiz Augusto Pereira Fernandes é voluntário nos projetos da Wikimedia Foundation desde 2004 e formando em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). flattr this!